terça-feira, 16 de agosto de 2011

NAQUELE ANO DE 1993

"Naquela época, eu e Emerson já éramos muito amigos. Uma amizade que já durava 6 anos. Víamos nossos corpos mudarem, víamos nossos interesses mudarem também. Ele demonstrava interesse cada vez maior nas meninas; falava safadezas envolvendo suas fantasias com elas; ficava de pau duro na minha frente; pegava no pau por baixo do short enquanto delirava com suas histórias eróticas. Eu também me excitava. Não era por compartilhar da fantasia, que eu confesso que não dava a mínima e as ouvia por alto, mas era pela contemplação do seu tesão, do seu fogo em narrar as hipotéticas histórias envolvendo suas paquerinhas. O que eu sentia pelo Emerson era muito mais que amizade. Era uma mistura de carinho fraterno e tesão. Quanto mais os dias passavam, mais ardia em mim a vontade de fazer coisas com ele que eu mesmo nem sabia dizer ao certo o que eram. Mas desejava pegá-lo, palpá-lo, masturbá-lo; cheirar seu peito, suas axilas, seu pescoço, seu pau, seu saco e mais abaixo. Enquanto ele delirava contando suas histórias, eu delirava me imaginando no lugar das piriguetes que ele citava.

"Mas éramos muito unidos, como eu dizia. Fazíamos coisas juntos que - sem maldade, juro! - qualquer um diria que havia algo mais entre nós. Íamos à praia, e na volta, tomávamos banho juntos no meu quarto. Trocávamos de roupa um na frente do outro. Não tínhamos pudor. Era assim desde que nos conhecemos, ainda crianças. Dormíamos um na casa do outro. Ele gostava mais de dormir na minha casa, pois minha mãe era muito acolhedora. Meu pai falecera quando eu tinha 4 anos. Desde então, éramos eu e ela. Por isso, ela sempre preferia que meus amigos viessem para casa do que eu estar na casa deles. E pra tanto, ela criou o quarto que toda criança adoraria ter, com brinquedos, videogame, computador, TV, videocassete - na época, né - e etc. E apesar de eu ter outros amiguinhos, o Emerson sempre foi meu preferido. Quem é gay sabe do que eu tô falando: desde aquela época, eu já tinha por ele um sentimento que era diferente do que tinha pelos meus outros amigos. Eu gostava de tocá-lo. Eu percebia que com o Emerson havia uma reciprocidade naquilo. Ele mantinha contato físico comigo que ia além de brincar de briga, como crianças fazem. Se estivéssemos assistindo TV, ele deitava no meu colo. Às vezes, quando fazia frio, dormíamos na mesma cama, mesmo havendo duas camas no meu quarto. Sei que minha mãe já devia ter visto aquilo diversas vezes, mas crianças são assim mesmo, ela devia pensar. Não havia mesmo maldade.

"Entretanto, todo aquele contato me intoxicara de sensações, sentimentos e pensamentos que entraram em combustão na adolescência. Pra minha sorte, Emerson continuava sendo o mesmo Emerson carinhoso de sempre. Mantínhamos os mesmos hábitos de nossa infância. Ríamos das mudanças bizarras que iam acontecendo conosco sem um pingo de vergonha da nudez um do outro. E o calor do seu abraço ainda era o mesmo. E então, haviam as histórias fantásticas que ele contava. E ali extravasávamos nosso tesão. Foi com essas histórias que nos masturbamos juntos a primeira vez. Ele pôs o pau pra fora, duro - e assim eu ainda não tinha visto - e começou a se masturbar, dizendo que tinha visto um vídeo na casa de um primo em que o homem fazia aquele movimento com o pênis. Me incentivou a fazer o mesmo, e ali ficamos friccionando nossos pênis com nossas mãos. De primeira, não havia interesse em prosseguir naquilo por muito tempo. Até que um dia ele teve seu primeiro orgasmo. Já sabíamos o que era esperma, mas do pênis dele só saiu um líquido viscoso transparente. Meu primeiro orgasmo aconteceu na mesma noite, enquanto eu me masturbava olhando pra ele dormindo na cama ao lado. A partir dali, a masturbação passou a ser uma atividade mútua sistemática. Mas não nos tocávamos. Curtíamos apenas o ato solitário compartilhado um com o outro. Ele com seus devaneios, às vezes olhando as revistas de putaria que o primo safado emprestava pra ele, e eu olhando fixo pro seu pênis, que crescia a cada dia, ficando realmente muito bonito. Da noite do primeiro orgasmo, transcorreram-se alguns meses em que percebi um certo afastamento do Emerson. Seu interesse particular por uma garota do colégio em que estudávamos nos afastou um pouco. Ele fazia de tudo pra ir falar com ela no recreio - ela estudava em outra turma. Pagava lanche pra ela, e eu percebia que da parte dela havia um parco interesse. Mas ele, apaixonado como estava, não enxergava. Só tinha olhos pra Camila.

Experimentei uma gradativa e dolorosa solidão. Os finais de semana sozinho no meu quarto ficavam cada vez mais longos e cinzentos. Minha mãe percebia meu desalento. Me acolhia talvez sabendo que algo acontecia comigo, porque eu era diferente dos outros meninos. Não precisava dar uma palavra. Seu colo era tudo de que eu precisava.

"Foi em novembro daquele ano, que algo imprevisível ocorreu. Emerson ligou pra mim depois de uns 10 dias sem contato - antes nosso contato era diário. Perguntou o que eu tava fazendo, perguntou se podia vir aqui em casa. Depois de umas duas horas ele veio. Aqui em casa, já fazia no mínimo umas 3 semanas que ele não aparecia, e da última vez esteve praticamente só de passagem. Dormir aqui? Tinha sido em Agosto! Eu o recebi calorosamente, dizendo claramente a ele que estava com saudades. Me emocionei quando ele disse que também tinha saudades. Eu o percebi muito abatido, de olhos vermelhos e inchados. Ele tinha chorado muito. Ao chegarmos ao quarto, ele sentou na cama que era "a dele", e eu na minha. Ao que perguntei o que houve, ele se atirou na minha direção chorando, deitando a cabeça no meu colo. Só pude afagá-lo e esperar que se recompusesse. Foi quando mais uma vez perguntei o que acontecia e ele explicou que ele e Camila já vinham ficando havia algum tempo. Mas que misteriosamente a família dela resolveu mudar de cidade. Não havia explicação, não vazava nenhuma informação. Camila foi proibida de falar com ele, e em 6 dias eles foram embora da cidade - naquele mesmo sábado de chuva. Eles não chegaram a se despedir. Doeu como se fosse em mim. Imaginei de repente Emerson indo embora pra outro lugar sem se despedir de mim, e tive vontade de chorar também. Sim, eu podia imaginar o que ele estava sentindo. Mesmo que corroído pelo ciúme, eu o amava mais, e por isso fui solidário com sua dor. Tentei durante a noite alegrá-lo. Mas nada lhe tirava um sorrisinho que fosse. Então achei melhor deixar pra lá. Fiquei deitado na minha cama, com ele a meu lado. Não falávamos uma palavra.

Às vezes ele contava alguma situação vivida entre ele e Camila. Eu me perguntava se eles chegaram a transar, mas não tinha coragem de lhe perguntar aquilo.

"O sono chegou, e como estava frio, e ele muito triste, não me importei que dormisse comigo. O edredom era grande pra nós dois. Virei pra parede e sentia minhas costas em contato com seu braço gelado. No meio das minhas fantasias eróticas, fiquei de pau duro mas fui vencido pelo sono. Devo ter cochilado alguns minutos, quando senti Emerson mudar de posição. Dessa vez senti seu braço me envolvendo. Ele me abraçou e colou seu tórax nas minhas costas. A sensação de aconchego naquela posição de conchinha foi gratificante, principalmente por causa do frio. Estávamos os dois de short de dormir e não usávamos cueca nenhum dos dois. Eu o ouvi sussurrar que eu era o melhor amigo que ele tinha. Me deu um nó na garganta, mas fiquei quieto. Achei que ele pudesse estar pensando que eu estava dormindo. De fato eu estava com sono, mas meu coração palpitava com aquele contato tão íntimo. Eu antes nunca vira maldade naquela posição em que dormimos tantas vezes, mas daquela vez minha mente suja pecava horrorosamente, eheheh... Mesmo assim, eu estava uma pedra, e tentando controlar minha respiração que insistia em ficar ofegante. Me concentrei no contato com o corpo do Emerson. Seu coração palpitava. O que será que estaria provocando aquilo? Alguns minutos se passaram e sua mão em volta de mim, passou a alisar minha barriga. Ele se mexeu pra mais próximo, colando dessa vez seus quadris nos meus. Caralho, como o pau dele tava duro! Meu coração tava quase saindo pela boca. Tava muito complicado respirar com controle. Eu sentia vez ou outra os espasmos do pênis dele contra minhas nádegas. Estávamos separados por duas camadas finas de tecido, eu pensava... E esses pensamentos só pioravam as coisas. Meu pau já tinha ensopado meu short e ele não parava de alisar os pelinhos da minha barriga, subindo até meus mamilos. Eu sentia a respiração forte dele na minha nuca.

"O safado começou a fazer movimentos de vai-e-vem muito lentos e suaves, pressionando o pau contra minha bunda ainda mais. Ele tinha tomado uma dimensão que eu nem imaginara. Ele criou coragem e levantou cuidadosamente a mão que me acariciava, e pegou na lateral do meu quadril. Sutilmente deslizou para baixo, palpando meu traseiro. Como eu não manifestava reação, percebi que ele mexeu em algo nele mesmo, e depois tentou baixar meu short. Como não conseguiu, voltou à mesma posição, esfregando mais uma vez o pau na minha bunda. Dessa vez tive certeza que ele havia tirado pra fora do calção. Ele começava a transpirar, e embaixo do edredom, onde antes estava frio, começara a fazer um calor filho da puta. Meu corpo ardia também. Não sei se ele ainda acreditava que eu estivesse dormindo. Só sei que não aguentei mais e lentamente repousei minha mão esquerda, que estava livre, em cima do meu quadril esquerdo e baixei meu calção. Eu morri de medo que ele descobrisse que eu estava acordado e parasse. Mas não. Facilitei as coisas. Estávamos conscientes do que estava acontecendo. Estávamos acordados e sabíamos o que queríamos daquele momento. Agora era só pele! O pau dele mais quente ainda do que seu corpo, se é que era possível, escorregava no meu rego sem pêlos, lubrificado pelo nosso suor e pelo líquido seminal que vertia abundantemente a cada esfolada que a glande intumescida dava através do seu prepúcio. Emerson, num gesto de curiosidade, voltou a me abraçar e deslizou a mão até meu pau. Quando ao tocar, sentiu-o duro como pedra e todo babado também, respondeu apertando o corpo ainda mais contra o meu. Sua respiração era forte na minha nuca. Não falávamos uma palavra sequer, pois a cumplicidade tagarelava sozinha. Naquela dança de vai e vem, depois de tanta lubrificação natural debaixo da sauna que tinha se transformado o espaço abaixo do nosso edredom, Emerson pegou o próprio pau e tateou meu ânus. Após localizá-lo, colocou sua glande em contato com ele.

Esfregava com carinho sua borda, me fazendo querer morrer de tanto tesão. Minha mão esquerda, que minutos atrás estava ociosa, agora cuidava de envolver meu pênis com vigor. Eu batia uma punheta calma, mas deliciosa com aquele estímulo que recebia atrás. Emerson tentou numa primeira vez me penetrar, mas mesmo com todo aquele lubrificante natural, estava difícil. Senti uma dor desgraçada quando aquela cabeçona atravessou meu orifício anal e deixei escapar um gemido muito baixo. Ele percebeu e parou. Ficou ali parado, com a cabeça do seu pau dentro do meu reto enquanto eu me recuperava. Ele podia sentir a contração de dor que oferecia resistência ao seu pau, apertando-o forte. Voltou a me abraçar, e envolvido naquele carinho todo, aos poucos fui relaxando, e o que aconteceu depois foi uma sequência natural a tudo o que veio antes. Seu pênis deslizou pra dentro do meu reto que o recebia úmido, quente e macio de uma maneira que eu no fundo sabia que ele jamais voltaria a provar com outra pessoa. Acho que a sensação foi tão boa pra ele, que demorou a começar a socar. Queria aproveitar cada segundo dentro de mim. Eu me masturbava com cuidado porque sabia que estava a um passo de gozar. As estocadas começaram suaves, e foram se intensificando até que ele parou e gemeu no meu ouvido. Ele gozara. Gozei imediatamente após, mirando contra a parede e tentando ao máximo proteger com a outra mão para que não caísse esperma no lençol da cama. Estávamos num êxtase tão profundo que ele nem tirou o pau de dentro de mim. Só após alguns minutos seu pênis perdeu volume com a flacidez e foi expulso do meu reto.

"Ficamos ali, ensopados de suor, incapazes de nos mexermos, esperando nossa respiração normalizar e nossos corações se recuperarem. Eu queria ficar um pouco mais curtindo o momento, mas minhas mãos estavam meladas, e eu precisava ir ao banheiro. Criei coragem e saí daquela fornalha e fui em direção ao banheiro do meu quarto. Aproveitei e tomei um banho. Enquanto a água escorria pelo meu corpo realizado, minha cabeça estava a mil. O que seria da gente depois daquilo? Ao sair do banheiro, Emerson já estava esperando na beira da cama, já de short. Levantou e entrou no banheiro sem olhar pra mim. Fiquei super mal e deitei na cama com lágrimas nos olhos. Sabia que ele sairia do banheiro e deitaria em sua cama sem falar comigo. Fiquei ali, de cara pra parede perdido em pensamentos, já arrependido em ter manchado a amizade com minutos de prazer. Mas ao sair do banheiro, foi pra minha cama que ele veio, deitou e me abraçou. Falou baixinho próximo ao meu ouvido: "Você é o melhor amigo que alguém pode ter." E aquelas palavras me encheram de alívio. Eu não sabia exatamente o que significavam, mas ao menos serviram pra me mostrar que nada mudara. E assim abraçados, finalmente dormimos. No dia seguinte, acordamos quase juntos. Reatamos a nossa rotina de final de semana: jogamos videogame, assistimos TV, almoçamos, e no fim da tarde saímos ao encontro de outros amigos.

"Muitas outras noites como aquela se sucederam. Meses depois, já completamente despidos de qualquer culpa ou pudor, explorávamos o corpo um do outro com naturalidade e cumplicidade. E os anos que se seguiram nos foram repletos de experiências mútuas. Fomos o grande acontecimento da vida um do outro naquela época. Mas era natural que uma hora as pulsões heterossexuais do Emerson voltariam a clamar por serem saciadas. Ao mesmo tempo, eu necessitava de outras experiências, e o afastamento dessa vez foi compreensível e consensual. Enfim, o que antes chegou a ser rotina, tornou-se lembranças, memórias secretas no íntimo meu e dele, de que jamais voltamos a conversar. Hoje continuamos melhores amigos. Sou padrinho da filha mais velha dele, e ele é uma presença constante na minha vida. Meu namorado o adora. Mesmo assim, vez ou outra, nos momentos de solidão, ou antes de dormir, meus pensamentos viajam no tempo e revivem o que aconteceu naquele ano de 1993."

1 comentários:

Nossa cara. Que história foda,muito bem contada e muito interessante. Gostei bastante! :D

Postar um comentário